Crítica | O Pequeno Príncipe


Título Original: The Little Prince

Ano: 2015

Gênero: Animação, Fantasia

Duração: 108 min. (1h48min.)

Classificação: Livre

Roteiro: Irena Brignull, Bob Persichetti

Direção: Mark Osborne

Elenco: Rachel McAdams, Paul Rudd, James Franco, Marion Cotillard, Jeff Bridges, Mackenzye Fox, Benicio Del Toro, Paul Giamatti, Ricky Gervais, Albert Brooks, Bud Cort, Riley Osborne

Acesse o site oficial do filme, clicando aqui.

 

Por Pedro M. Tobias

“Mas, com certeza, para nós, que compreendemos o significado da vida, os números não têm tanta importância”

 

Transpor para os cinemas uma obra literária nunca é tarefa fácil. Mesmo as melhores e mais fieis adaptações costumam receber fortes críticas. Outrossim, quando o material original trata-se de um dos livros mais traduzidos e cultuados de todos os tempos, a incumbência de levá-lo às telonas se torna ainda mais árdua.

Felizmente, O Pequeno Príncipe não só funciona como uma excelente adaptação cinematográfica, como vai além e nos entrega uma história extremamente emocionante, tanto do ponto de vista da adaptação (SIM, todas aquelas frases e trechos marcantes do livro estão lá!) quanto do argumento original adicionado de forma brilhante ao roteiro.

O filme acompanha uma Pequena Garota (Mackenzie Foy) que, por conta das obrigações de estudo impostas pela Mãe (Rachel McAdams), que acredita que ela precisa seguir regras e cronometrar todo o tempo de sua vida, quase não tem infância. A vida dela muda ao conhecer O Aviador (Jeff Bridges), que a apresenta a um mundo extraordinário, no qual tudo é possível. Um mundo ao qual ele mesmo foi apresentado há muito tempo pelo Pequeno Príncipe (Paul Rudd/Riley Osborne). A partir daí começa a mágica e emocionante jornada da Pequena Garota pelo universo d’O Pequeno Príncipe.

Conforme já mencionado anteriormente, o roteiro do filme não se prende apenas aos acontecimentos do livro. A inclusão de novos personagens bem como a ampliação da trama original, além de atualizar as questões poéticas e filosóficas da obra de Saint-Exupery, funcionam como catalisador para uma forte crítica ao modo de vida contemporâneo.

Outra excelente escolha artística foi a de utilizar duas técnicas diferentes de animação. Toda a história diretamente derivada do livro é contada em stop-motion, enquanto o segmento inédito da Pequena Garota é animado em 3D. Tal decisão impacta tanto pela disparidade visual na montagem das duas plots, quanto pela própria forma como cada uma delas foi concebida pela dupla Celine Desrumaux e Lou Romano, responsáveis pela Direção de Arte do filme.

A forma como a personagem da Mãe (bem como a maioria dos personagens adultos) é apresentada já denota de forma concisa a definição que temos hodiernamente de sucesso e felicidade. O paralelo é claro em relação a uma das mais marcantes frases do livro – “O essencial é invisível aos olhos, e só se pode ver com o coração“. Aquilo que realmente nos é caro não consegue ser mensurado, tabulado.

É interessante observar como todo esse “universo adulto” é representado através de tons de cinza monocromáticos e do mecanicismo apático no modo de agir dos personagens retratado principalmente através do uso de plongées. O Diretor Mark Osborne (“Dropping Out“, “Kung Fu Panda“) merece todos os créditos por esses e outros tantos insights percebidos ao longo do filme que, apesar de sutis, ajudam a dar o tom mais dramático à obra.

O principal e talvez único demérito desta belíssima animação é o terceiro ato, que quebra um pouco o ritmo da trama, podendo entediar principalmente o espectador infantil. Essa falha, contudo, não incomoda tanto à luz do desfecho do filme, pois parece ter sido especialmente inserida para majorar a mensagem final.

Com uma estética profundamente emocionante e dramática,  O Pequeno Príncipe, apesar de trazer à discussão um tema particularmente adulto, encanta pela sutileza com que o desenvolve. A trilha sonora, assinada por Richard Harvey (“King Naresuan 4“, “Curse of the Phoenix“) e Hans Zimmer (“Intersetelar“, “Chappie“), apesar de não se destacar em relação à trama em nenhum momento, ajuda a criar o tom melancólico, especialmente da cena final. Enfim, o filme vale muito a pena ser visto por todos os públicos e promete agradar ainda mais aqueles que cresceram lendo (e relendo) o famoso conto de Saint-Exupery.

AVALIAÇÃO GERAL: 90% (EXCELENTE)

 

Assista ao trailer:

Palavras são incapazes de expressar tudo o que sinto por você. Te amo muito!

O que você achou disso?

Chorei Chorei
0
Chorei
OMG OMG
0
OMG
Fail Fail
0
Fail
Amei Amei
0
Amei
Medo Medo
0
Medo
QUE?? QUE??
0
QUE??
Pedro M. Tobias
Como de descrevo? Não sei, não me conheço. "O caminho do homem justo está cercado por todos os lados pela iniquidade dos egoístas e a tirania dos maus" (Ezequiel 25:17).

Crítica | O Pequeno Príncipe

log in

Resetar senha

Back to
log in
Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Open List
Open List
Ranked List
Ranked List
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format