Crítica | O Estranho Que Nós Amamos


Por Thiago Schumacher

Melancolia, isolamento e desconfiança dominam o espectador em remake da diretora Sofia Coppola

A diretora Sofia Coppola, conhecida pelo longa de 1999, As Virgens Suicidas, e recentemente por Bling Ring: A Guangue de Hollywood, de 2013, retorna neste dia 10 de agosto às telas brasileiras com sua nova produção O Estranho Que Nós Amamos (The Beguilded, EUA/FRANÇA,2017). A obra é refilmagem do filme homônimo de 1971, estrelado por Clint Eastwood e dirigido por Don Siegel. A nova versão é muito bem elaborada e traz elenco de peso.

A trama acontece durante os anos de guerra civil americana. Nicole Kidman é Miss Martha, uma mulher que dirige uma escola/abrigo para meninas e jovens adultas. Junto com ela, Edwina (Kristen Dunst) dão aulas que vão de música à francês para suas pupilas; Alicia (Elle Fanning), Amy (Oona Laurence), Jane (Angourine Rice), Marie (Addison Riecke) e Emily (Emma Howard).

Tudo muda a partir do momento que Amy, ao colher seus cogumelos de rotina, encontra o soldado McBurney (Colin Farrell) ferido e caído no bosque. Motivada por forte sentimento de solidariedade, e vendo que o combatente não demonstra ameaça alguma, a jovem o ajuda a chegar na escola da senhora Martha, onde é cuidado e acolhido pelas moças.

Porém, a medida que o estranho recupera-se, as garotas que vivem em completo isolamento passam, pouco a pouco, a nutrir sentimentos e desejos pelo combatente. Gradativamente, o sentimento de desconfiança e ciúmes tomam conta das mulheres, inclusive, da conservadora Miss Martha.

Com base nessa premissa, a diretora Sofia Coppola, juntamente com o excelente elenco, nos apresenta um drama repleto de suspense que é belissimamente construído e desenvolve uma tensão gradual que é nutrida no espectador durante toda a projeção, até o clímax final.

Colin Farrell, único homem do recinto, consegue talentosamente transmitir uma certa confiança de que é uma boa pessoa ao mesmo tempo que pequenos atos do personagem dizem o contrário. A mesma coisa acontece perante as garotas da escola. Miss Martha, vivida por Nicole Kidman é uma das personagens mais emblemáticas do longa.

A diretora da escola é rígida, porém gentil com suas alunas e demonstra forte sentimento de proteção perante todas. Mesmo sendo intolerante e muito religiosa, a mandante também nutre sentimentos pelo soldado, mas controla-se fervorosamente.

A tensão é mais forte entre Edwina, interpretada por Kristen Dunst, que também dá aulas na isolada escola, e Alicia, protagonizada por Elle Fanning. Ambas estão no centro da maior parte da problemática perante o visitante inesperado.

Tecnicamente falando, a produção é muito bem construída. Chamo atenção especial à fotografia. A mansão com arquitetura romana, cercado por bosques e neblina é excelentemente retratado com tomadas que fazem nossos olhos saltarem. Somado a esse aspecto, as moças que transitam pela propriedade, trajando roupas da época, adicionam um tom de beleza e perigo eminente e constantes. Tal combinação chega a ser hipnotizante em certos momentos. De certa forma, o perigo mora em locais belos.

A mixagem de som é imersiva e brinca com os 7 canais de áudio da sala de cinema. Ao longe, podemos ouvir estouros de bombas que ecoam pela floresta, fazendo o espectador pensar que alguém no andar de cima do cinema está arrastando móveis. A floresta que cerca a propriedade quase que respira, pelo sons de grilos e pássaros. O sentimento de isolação é melancólico e desolador. Mixagem de som aliado à fotografia e beleza do figurino criam o ambiente perfeito para um drama de suspense.

O roteiro, no qual o longa baseia-se, vem da obra de Thomas Cullinan que foi adaptado ao cinema por Albert Maltz.

Não há muitos plot twists, mas sim revelações. O grande triunfo é a construção dos fatos. Isso sim, é cuidadosamente feito. Nos momentos finais, alguns espectadores já estarão na ponta dos seus assentos, justamente porque não há “cenas à toa”, que apenas prolongam a duração do filme. Tudo leva ao desfecho final.

Por fim, O Estranho Que Nós Amamos, é uma boa pedida para quem gosta de um bom drama, e está preparado para ser imergido em uma época desoladora, de guerra civil. Os cinéfilos mais atentos ficarão encantados com a beleza das cenas e com o detalhamento da mixagem de som. Tudo trabalhando junto na construção da forte tensão que toma conta da metade para o fim do filme. Se você, porém, não se encanta com os elementos mencionados, há chances de que a presente obra não seja para você. No entanto, nos elementos mencionados acima, o longa em análise triunfa, e isso é que importa.

 

 

Com ajuda do Review

O que você achou disso?

Chorei Chorei
0
Chorei
OMG OMG
0
OMG
Fail Fail
0
Fail
Amei Amei
0
Amei
Medo Medo
0
Medo
QUE?? QUE??
0
QUE??
Thiago

Professor de inglês e Advogado. Apaixonado por música, filme e pizza!

Crítica | O Estranho Que Nós Amamos

Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Open List
Open List
Ranked List
Ranked List
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format