Feito na América | Crítica


Tom Cruise retorna em papel que lhe cai como uma luva

E a boa pedida do fim de semana é o novo longa estrelado pelo destemido ator Tom Cruise. Feito na América (American Made) narra a verídica e inacreditável história de um piloto que trabalhava para a CIA e ninguém menos do que Pablo Escobar, durante os anos 80.  A direção fica a cargo de Doug Liman (Na Mira do Atirador) e o roteiro é assinado por Gary Spinelli (O Esconderijo).

O longa se desenvolve nos anos 80, onde Barry Seal (Cruise) é um piloto cansado dos voos comerciais entediantes e após receber um convite de Monty Schafer (Domhnall Gleeson) para um trabalho para a CIA que envolve um pouco mais de adrenalina, Seal mergulha no mundo do contrabando, chegando até a trabalhar para o infame Pablo Escobar (Mauricio Mejía).

O longa em questão é uma intensa jornada pelos gêneros ação, comédia e uma pitada de drama.

Tom Cruise, já mencionado pelo seu fraco desempenho em A Múmia, lançado este ano, retorna às telonas com fôlego e incorporando um papel que realmente consegue passar um senso de realismo ao espectador, diferentemente do seu anterior. Aqui, não temos a impressão de vermos Tom Cruise como Tom Cruise, mas sim de estarmos diante de Barry Seal.

Talvez isso dê-se ao fato de ambos personagem e ator compartilharem de algumas características em comum, como o senso aventureiro e inconsequente. Vale lembrar que Cruise nunca usa dublês! A performance do artista sem dúvida supera as expectativas e nos entrega um personagem cômico na medida certa e ao mesmo tempo, extravagante como deve ser.

O ‘empregador’ de Seal é o misterioso Schafer (Gleeson), agente da CIA responsável por comunicar as mirabolantes missões ao piloto. O mensageiro é o típico ‘bom demais para ser verdade’, uma vez que é capaz de seduzir o aviador a entrar nessa vida prometendo inúmeras vantagens.

A produção em questão segue muito objetivamente em tela, somos bombardeados com sequencias cômicas e muita ação frenética, de fazer o coração palpitar. Não há desenvolvimento dos personagens, que permanecem rasos em sua maioria, afinal, a proposta do filme é caprichar na parte visual. Nesse quesito, o diretor entrega excelentes takes aéreos e utiliza-se da handycam, dando a impressão que o espectador está também naquele ambiente.

O elenco de apoio também cumpre seu papel na trama. Sara Wright vive a esposa de Barry, Lucy Seal, e apesar de não ter muita importância no desenrolar dos eventos, representa o que nosso herói mais se importa: sua família. Cria-se assim um elo emocional forte. Caleb Landry Jones é o impertinente JB, irmão de Lucy, e por sua total irresponsabilidade, representa a primeira ‘ameaça’ ao esquema de contrabando.

Feito na América é um filme divertido, recheado de ação e humor. Apesar de raso, irá divertir àqueles que buscam adrenalina no cinema, entretanto, aos que esperam vivenciar uma sofisticada trama, esse pode não ser sua melhor escolha.

 

Com ajuda do Review

O que você achou disso?

Chorei Chorei
0
Chorei
OMG OMG
2
OMG
Fail Fail
0
Fail
Amei Amei
2
Amei
Medo Medo
0
Medo
QUE?? QUE??
0
QUE??
Thiago

Professor de inglês e Advogado. Apaixonado por música, filme e pizza!

Feito na América | Crítica

Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Open List
Open List
Ranked List
Ranked List
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format