Crítica 2 | O Exterminador do Futuro: Gênesis


Título original: Terminator Genisys

 

Ano: 2015

Gênero: Ação, Aventura, Ficção-Científica

Duração: 126 min. (2h06min.)

Classificação: 12 anos

Roteiro: Laeta Kalogridis, Patrick Lussier

Direção: Alan Taylor

Elenco: Arnold Schwarzenegger, Emilia Clarke, Jai Courtney, Jason Clarke, J. K. Simmons, Lee Byung-hun, Douglas Smith

Acesse o site oficial do filme, clicando aqui.

 

 Por Pedro M. Tobias

I’ll be back… De novo, de novo e de novo”

 

Em 1984, James Cameron (“Titanic“, “Avatar“) – até então desconhecido do grande público – apresentou ao mundo O Exterminador do Futuro. O cineasta, que também assinou o roteiro do filme, conseguiu entregar uma obra que ficaria marcada na história do cinema. O sucesso do longa foi tanto que rendeu, sete anos depois, uma continuação. O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final não só manteve todos os elementos positivos de seu antecessor como os elevou de forma exponencial.

Nascia aí uma das maiores e mais lucrativas franquias cinematográficas de todos os tempos.

Em 2003, já sem a presença de Cameron, a franquia ganhou seu terceiro filme, A Rebelião das Máquinas. Apesar de não ter tido boa recepção por parte da crítica e dos fãs da saga, o longa arrecadou pouco mais de US$ 433.000.000,00 (quatrocentos e trinta e três milhões de dólares), o que rendeu, em 2009, mais um filme, A Salvação.

Apesar do enorme sucesso de bilheteria das duas últimas sequências, a franquia como um todo havia sido abalada. Surgiu então, a ideia d’O Exterminador do Futuro: Gênesis, que, apesar de ser uma continuação direta da saga, funciona ao mesmo tempo como reboot.

Procurando ampliar o uso de inteligência artificial, a humanidade acaba criando, através da Cyberdyne Systems, a Skynet, que após assumir o controle dos principais sistemas de defesa e comunicação mundiais, identificou na humanidade uma ameaça à sua existência. Pronto! Essa é a premissa básica que acompanha todos os filmes da franquia Exterminador do Futuro.

Em Gênesis acompanhamos a última investida da resistência liderada por John Connor (Jason Clarke) contra a Skynet. Após perceber a iminência de sua destruição, um Exterminador T-800 é enviado ao passado a fim de matar a mãe de Connor, Sarah (Emilia Clarke) e impedir os acontecimentos vindouros. Kyle Reese (Jai Courtney) é então mandado de volta com a missão de frustrar os planos da Skynet. Até aí tudo parece confluir para os acontecimentos narrados no primeiro filme, contudo, uma mudança inesperada cria uma linha do tempo fragmentada.

A partir daí a trama que deveria transcorrer por si só, se vê muito mais focada nas referências diretas à própria franquia do que em desenvolver-se. Apesar de extremamente nostálgico ver algumas frases de efeito e cenas clássicas refeitas, a intensidade e a forma como o Diretor Alan Taylor (“As Novas Roupas do Imperador“, “Thor: O Mundo Sombrio“) optou por mostrá-las chega a incomodar mesmo o fã mais fervoroso da franquia.

As atuações, apesar de convincentes, não entregam nada próximo daquilo que já foi visto antes na franquia. Isto é bem mais válido para o casal de protagonistas. Emilia Clarke (“A Recompensa“, “Game of Thrones“), apesar de mostrar competência e versatilidade no papel de Sarah Connor, não consegue convencer em nenhum momento de que passou a vida se preparando para a “luta”. Jai Courtney (“Promessas de Guerra“, “A Série Divergente: Insurgente“), por sua vez, parece repetir o papel de outros tantos filmes de ação dos quais já fez parte.

Outro que decepciona é Jason Clarke (“Planeta dos Macacos: O Confronto“, “Crimes Ocultos“). O ator, que substitui Christian Bale – que não pôde reprisar o papel de O Exterminador do Futuro: A Salvação por motivos de agenda – simplesmente não consegue trazer nada de novo ao personagem. Não fosse sua relevância para o roteiro, seu personagem passaria facilmente despercebido.

Vale enaltecer a volta de Arnold Schwarzenegger (“Os Mercenários 3“, “Maggie: A Transformação“) ao papel que lhe rendeu reconhecimento em Hollywood. O “coroa”, hoje com 67 anos, se mostra à vontade como um T-800 que se apresenta (talvez como a própria franquia) cansado após décadas de demanda.

"Come with me if you want to live!"
“Come with me if you want to live!”

O que mais incomoda em O Exterminador do Futuro: Gênesis é a tentativa inócua de ser épico/catártico. O clímax do filme, após quase 2h de muitas cenas de ação, acaba se perdendo. Parece que o Diretor se esforçou muito para que o filme fosse, a exemplo do recente Mad Max: Estrada da Fúria, dotado de uma cólera frenética. Essa quantidade absurda de sequências de ação torna banal a resolução da obra.

Apesar de não acrescentar em nada à franquia, o longa é competente em sua proposta e funciona isoladamente como filme de ação, além de deixar o terreno aberto para as já confirmadas continuações que devem sair até 2019 (quando os direitos da franquia voltam a James Cameron). Pela atuação consistente de Schwarzenegger e pela nostalgia que evoca, vale a pena conferir mais esse capítulo da saga Exterminador do Futuro nos cinemas, preferencialmente em 3D.

AVALIAÇÃO GERAL: 50% (REGULAR)

 

Assista ao trailer:

O que você achou disso?

Chorei Chorei
0
Chorei
OMG OMG
0
OMG
Fail Fail
0
Fail
Amei Amei
0
Amei
Medo Medo
0
Medo
QUE?? QUE??
0
QUE??
Pedro M. Tobias
Como de descrevo? Não sei, não me conheço. "O caminho do homem justo está cercado por todos os lados pela iniquidade dos egoístas e a tirania dos maus" (Ezequiel 25:17).

Crítica 2 | O Exterminador do Futuro: Gênesis

log in

Resetar senha

Back to
log in
Choose A Format
Personality quiz
Series of questions that intends to reveal something about the personality
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
List
The Classic Internet Listicles
Open List
Open List
Ranked List
Ranked List
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format